Contaminação por Pragas 

Contaminação por aves (pombos, etc.):

O pombo-comum (Columba livia) é uma das aves em maior abundância nos grandes centros urbanos do nosso país, resultado da escassa existência de predadores e rápido processo de reprodução, desequilibrando desta forma o ecossistema e resultando no aumento acelerado da população. Apesar de ser uma ave amistosa e que convive pacificamente com os humanos, esconde um perigo real e significativo de saúde pública, de onde pode originar algumas infeções agudas e consequentemente doenças graves, que podem deixar sequelas ou levar à morte. A forma mais recorrente de contrair infeções bacterianas ou fúngicas causadas pelos pombos é feita pelas vias respiratórias, através da inalação das poeiras provenientes das fezes secas, porém, outro modo de contaminação é através dos parasitas (pulgas, carrapatos, ácaros, etc.) dos pombos que podem cair sobre as pessoas quando voam.

Do vasto leque de doenças originadas por estas aves destacamos as seguintes :

  • Histoplasmose: Doença causada por um fungo presente nas fezes da ave e transmitida através da inalação pelas vias respiratórias. O doente poderá desenvolver rapidamente uma infeção pulmonar aguda, histoplasmose pulmonar crónica e ainda infeções disseminadas por vários órgãos;  
  • Candidíase: Infeção fúngica transmitida por contacto, que pode manifestar-se em diferentes zonas do corpo, em diferentes tecidos, causando dor, vermelhidão, prurido etc.;
  • Criptococose: Também conhecida como Torulose, Doença de Busse-Buschke e Blastomicose Europeia, é uma doença infecciosa, causada por um fungo chamado Cryptococcus neoformans,  o sintoma mais grave provocado por essa doença é a meningite. Contaminação através da inalação pelas vias respiratórias das fezes da ave, resultando em uma infeção respiratória, porém se o indivíduo estiver com o sistema imunológico fraco, a infeção tende a se espalhar pelo sangue causando danos cerebrais que podem levar a morte;
  • E. Coli.: Bactéria presente no trato intestinal de animais e seres humanos, mas quando transmitidas por via oral das fezes da ave poderá causar infeções originando inicialmente febre, diarreia e dor abdominal. Em situações de incorreto tratamento ou de forma mais aguda da infeção poderá causar diarreia hemorrágica, desidratação extrema e falência renal.

É essencial evitar o contacto e presença destas animais em nossos habitats e é vital a correta limpeza e desinfeção de espaços com sujidade deixada por esta espécie para normalizar e garantir a segurança. A remoção dos detritos provocados por estas aves e a sua correta limpeza do espaço, deverá ser realizada por uma empresa acreditada e especializada como a Biohoarding - Environmental Bio Services.

 

Contaminação por roedores comensais (ratos, ratazanas, etc.):

Existem diferentes espécies que habitam entre nós onde destacamos as seguintes:

- Rato Negro;
- Rato Doméstico;
- Rato do Campo;
- Rato da Água;
- Rato Toupeira;
- Ratazana;

À semelhança dos pombos, os ratos são igualmente uma fonte de problemas para os humanos, sendo que o descontrolo da população em meio urbano potencia o risco para a saúde pública. É essencial evitar o contacto com os fluidos corporais (sangue, saliva e urina) e fezes, já que são “veículos” de transmissão de agentes patogénicos (microrganismos que podem causar doenças). Do contacto direto poderá originar a invasão do nosso organismo, resultando em doenças graves, algumas delas que podem em poucos dias levar à morte. Destacamos as seguintes:

  • Hantavirose: Doença transmitida por um vírus, hantavírus, principalmente, por via respiratória, resultante do contacto com a saliva do roedor infetado ou com as suas excreções;
  • Leptospirose: Doença infecciosa causada por uma bactéria chamada leptospira presente na urina dos roedores. Transmitida através do contacto pelas mucosas, lesões na pele ou mesmo por ingestão pode apresentar um quadro assintomático ou com sintomas semelhantes a outras doenças menos graves levando a um diagnostico tardio o que poderá complicar o seu tratamento e levar à morte;
  • Salmonella SPP.: Esta bactéria pode ser transmitida através do contacto direto com os roedores levando a sintomas típicos de gastroenterite, ou seja, diarreias, febre, dores abdominais, náusea e por vezes vómito;
  • Febre da mordedura de roedor: Infeção causada sobretudo por dois tipos de bactérias provenientes da mordedura, podendo originar sintomas de arrepios, febre alta, vómitos, dor de cabeça e dores nas costas e articulações. Não sendo tratado adequadamente e atempadamente poderá evoluir para infeções graves em vários tecidos do organismo.

Claramente podemos concluir que é essencial evitar o contacto e presença destas animais em nossos habitats e é vital a correta limpeza e desinfeção de espaços com a sujidade deixada por esta espécie, tornando assim os lares e espaços comerciais livres de perigo.